Data driven marketing: o que é e como aplicar na empresa

O data driven marketing analisa dados para criar estratégias de negócio bem sucedidas. Saiba como aplicá-lo em sua empresa.

O data driven marketing é um método de elaboração de estratégias de marketing que parte da extração e interpretação de dados sobre o comportamento de consumidores.

O mercado atual se expande em uma velocidade sem precedentes e esse crescimento é acompanhado de um oceano de informações a serem examinadas, o chamado Big Data. Esses dados dizem respeito a tudo o que envolve a Internet, incluindo informações sobre as pessoas que participam da rede.

Um relatório publicado pela referência mundial em tecnologia de informação Cisco Systems prevê que, até 2023, quase 30 bilhões de dispositivos estarão conectados à Internet. Mais de três vezes a população mundial atual.

Um cenário como esse implica um aumento significativo do fluxo de dados gerados a cada segundo. Ao mesmo tempo que isso representa mais oportunidades de leituras estratégicas por parte das empresas, também é um desafio imenso.

Isso porque essa quantidade exorbitante de dados exige técnicas de processamento e análise avançadas para a realização de uma gestão eficiente dessas informações. 

Continue a leitura para entender o que significa ser uma empresa data driven e as implicações disso para o seu negócio.

O que é ser data driven?

Uma empresa data driven é aquela que orienta as decisões de negócio a partir da análise de dados, resultando em estratégias com mais chances de darem certo em comparação àquelas que partem de suposições ou análises empíricas.

Embora cada vez mais gestores parecem compreender a importância do data driven marketing para o seu negócio, a leitura dessas informações por parte de empresas brasileiras ainda não é uma prática madura.c

Segundo o relatório Insights da Maturidade Analítica Brasileira, publicado pelo Instituto Cappra em 2020, as organizações no país encontram-se no nível data-curious, ou seja, fazem aplicações pontuais do uso de dados, mas sem o estabelecimento de processos analíticos.

A pesquisa revelou que somente 48% dos profissionais entrevistados utilizam essas informações para tomarem decisões no dia a dia. Isso significa que o mercado nacional ainda não pode ser considerado data driven, já que não existe uma estrutura analítica organizada e estratégica em plena atividade.

Leia também: Comportamento do consumidor: tendências e como estudá-lo

Na prática, como funciona o data driven marketing?

A comunicação personalizada já é preferência da maioria dos consumidores. 

É o que diz a Salesforce: 66% das pessoas esperam que empresas compreendam suas necessidades e expectativas e 52% preferem que as ofertas sejam sempre personalizadas para elas.

Essa customização da relação com o cliente só acontece se as companhias souberem exatamente quem são seus consumidores, de quais soluções eles precisam e como abordá-los.

Um exemplo de uso do data driven marketing nesse sentido é a análise de dados para compreender os melhores canais de comunicação com possíveis clientes. 

Muitas empresas acabam supondo que o melhor canal é aquele com o maior número de pessoas, mas nem sempre isso é verdade: elas esquecem de buscar entender o perfil do usuário presente em cada canal.

Em agosto de 2021, o TikTok contava com mais de um bilhão de usuários ativos mensais, mas será que o seu público-alvo se encontra nessa plataforma? Vale a pena investir pesado em anúncios nessa rede se o seu produto não é destinado aos young millennials ou à geração Z, por exemplo?

 “Um relacionamento personalizado com o cliente depende de um stack de tecnologia integrado”, afirma o porta-voz da Salesforce, Vala Afshar

Por isso, para não tomar decisões impulsivas quanto ao direcionamento da comunicação, algumas ferramentas podem ajudar profissionais de marketing a desenvolver ações mais assertivas.

Ferramentas para profissionais de marketing data driven 

Conheça a seguir algumas soluções digitais que podem ajudar você a implementar o data driven marketing em seu negócio.

Google Analytics 

O Google Analytics é uma plataforma gratuita que realiza o monitoramento e análise de sites, podendo ser integrada a outras ferramentas da Google. Ela coleta métricas como dados de acesso ao website, interações e origem de tráfego.


exemplo-google-analytics


Dessa forma, essa ferramenta também pode ser uma aliada na hora de avaliar resultados das campanhas de e-mail marketing, desde que os e-mails disparados tenham links rastreáveis. O Analytics identifica quais usuários chegaram ao site por meio desses links.

Google Search Console

Já o Google Search Console é ótimo para avaliar o tráfego orgânico que chega ao seu site. Com a plataforma, você pode acompanhar a posição de suas páginas no mecanismo de busca da Google e identificar as melhores maneiras de otimizar seu conteúdo.


exemplo-search-console


Ela também sinaliza problemas no site que podem prejudicar a posição orgânica, como links quebrados, alertando via e-mail sobre a necessidade de correções.

Leia também: Guia para fidelizar clientes: 7 dicas práticas

Google Ads

Ainda explorando as ferramentas da Google para um data driven marketing eficaz, o Google Ads desponta como a principal plataforma de publicidade da empresa. 

Uma pesquisa realizada pela SharpSpring revelou que 69% dos profissionais de marketing utilizam o Google Ads em suas estratégias de anúncio e tráfego pago. É claro que essa informação não surpreende, já que, por meio dele, é possível alcançar clientes potenciais em qualquer estágio do funil de vendas.

Anúncios veiculados via Google Ads podem ser exibidos nas páginas de pesquisas do buscador, em banners espalhados por websites, durante a visualização de vídeos no YouTube e em apps parceiros.


exemplo-google-ads


Ou seja, com essa variedade de canais, são grandes as chances de você alcançar seu público ideal com suas campanhas.

Google Data Studio

São muitos os dados levantados pelo time de marketing (desde aqueles pessoais sobre usuários a questões comportamentais ligadas ao engajamento deles com a marca, por exemplo) e o tratamento dessas informações exige organização.

Esse é um verdadeiro desafio que pode ser contornado com a ajuda do Google Data Studio, uma plataforma de representação visual de dados gratuita. Por meio dela, é possível emitir relatórios acerca desses dados e criar dashboards interativos que facilitem o manuseio dessas informações.


exemplo-data-studio


Essa ferramenta não só economiza tempo e esforços, como também diminui a chance de erros serem cometidos. 

Facebook Ads

O que mais chama a atenção no Facebook Ads, além dos números quase incalculáveis que envolvem os usuários do Facebook e Instagram, é a variedade de formatos de anúncios junto a uma segmentação quase “microscópica” do público.

Por meio dessa plataforma, empresas podem desenvolver campanhas destinadas a públicos bastante específicos, envolvendo não só informações como idade e localização, mas também aspectos comportamentais e interesses.

Uma loja que vende acessórios para animais de estimação, por exemplo, pode centralizar seus anúncios em pessoas que tenham demonstrado interesse em produtos para pet recentemente. As oportunidades são quase infinitas, basta você definir claramente os objetivos da sua estratégia.

Ferramentas de automação de marketing

Existem soluções que buscam otimizar o tempo do time de marketing, automatizando certos processos, para que os colaboradores possam se dedicar às estratégias que geram receita.

São muitas as ferramentas de automação de marketing disponíveis no mercado, com funcionalidades específicas, diferentes valores e destinadas a pessoas com graus diferentes de conhecimento sobre a análise e tratamento de dados.

Uma das mais utilizadas é o HubSpot, focada no rastreamento e nutrição de leads e ideal para ações de marketing de conteúdo. Ela permite criar e hospedar landing pages e formulários, criar bases segmentadas, disparar e-mails, e ainda conta com alguns recursos relacionados às redes sociais.

Leia também: Marketing de recompensas: fidelize e engaje clientes

CRM

Um Customer Relationship Management, também conhecido como software de CRM, é uma tecnologia que organiza todos os pontos de contato entre cliente e empresa — ou seja, ele praticamente registra dados sobre interações durante a jornada de compra, ajudando a marca a monitorar seu relacionamento com os consumidores.

Essa ferramenta é ideal para empresas com números elevados de clientes e que já não conseguem organizar informações sobre cada um deles em planilhas. A maioria das soluções disponíveis já possibilitam o acesso aos dados pela nuvem, podendo ser acessados de qualquer dispositivo.

Informações sobre possíveis clientes, pessoas que já compraram com você, cliques em campanhas. Qualquer dado relevante ao time de marketing pode ser coletado e registrado por um software de CRM, produzindo um histórico da experiência de cada cliente com a marca.

“Um CRM [sistema de gestão de relacionamento] conectado oferece à companhia uma visão completa, em 360 graus, de cada consumidor”, explica Vala Afshar. “Com esse insight, seus times podem usar dados para criar conteúdos e experiências para as necessidades únicas dos clientes, e ajudar sua marca a continuar atendendo às crescentes expectativas deles.”

Ferramentas de BI

Ferramentas de Business Intelligence (BI) ajudam marcas a coletar dados a partir de diferentes canais para utilizá-los na hora de tomar decisões acerca das estratégias do negócio.

Para além desse embasamento, esses softwares facilitam a leitura do comportamento dos consumidores e podem ajudar, inclusive, a analisar métricas internas da empresa. O próprio Google Studio faz o papel de uma ferramenta de BI, mas existem outras opções no mercado que também valem a pena, como o Power BI, da Microsoft, e o Einstein Analytics, da Salesforce.

Como criar a cultura do data driven marketing?

O primeiro passo para implementar a cultura do data driven marketing na sua empresa é entender que não há mais espaço para decisões baseadas em achismo. A inteligência de dados garante um melhor aproveitamento do tempo e das habilidades da equipe para a construção de estratégias eficazes.

Porém, é necessário considerar que existirão momentos de escassez de dados para a elaboração dessas estratégias, mas a máquina não deve parar por conta disso. 

O importante é que essa cultura data driven seja alimentada no time, mostrando que, quanto mais evidências tiverem sobre o impacto de uma decisão, mais assertiva ela será e a exposição a riscos será menor. Mas isso não é construído de um dia para o outro.

Confira algumas dicas para ajudar a introduzir o conceito de data driven no seu negócio:

  • elaborar os objetivos da sua estratégia de análise de dados;
  • trabalhar o mindset da equipe com foco na análise de métricas (não só do time de marketing, mas de toda a empresa);
  • contratar colaboradores com fluência em dados e investir em treinamentos;
  • adquirir as ferramentas apropriadas para a coleta e o processamento das informações;
  • acompanhar as tendências em business intelligence e observar o que os concorrentes estão fazendo;
  • estabelecer boas práticas para esse processo, obedecendo sempre às regras da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

Benefícios do data driven marketing

Se você ainda tem dúvidas sobre as vantagens que uma visão data driven pode trazer à sua empresa, confira os tópicos a seguir.

Impressões relevantes sobre o produto

A inteligência de dados não só revela informações que ajudam empresas a criar e fortalecer o relacionamento com consumidores, como também pode identificar possíveis pontos de melhoria no produto, baseado na leitura do comportamento de possíveis clientes.

Se muitos clientes estiverem desistindo da compra na última etapa, por exemplo, é possível que haja algum problema no sistema de pagamento. Caso o time de tecnologia não identifique algum bug nessa etapa, talvez, os consumidores não estejam satisfeitos com as opções de pagamento disponíveis e, por isso, não finalizam a compra.

Sendo assim, uma coleta de informações eficaz (nesse exemplo, sobre a desistência de compra) associada à interpretação de dados pode ajudar a empresa a elaborar soluções eficientes (mais diversidade de opções de pagamentos).

Segmentação ideal dos canais de divulgação

Os dados podem ajudar a definir os melhores canais para atrair novos clientes ou se comunicar com consumidores que já conhecem a marca. 

Plataformas de anúncios como o Facebook Ads permitem que empresas testem seus anúncios com diferentes segmentações de público, baseadas em dados como idade, localização, gênero e interesses. A partir dos resultados obtidos, é possível perceber se o seu público ideal está presente naquela rede, ou não.

Outra maneira de descobrir quais canais trazem mais clientes à marca é realizar uma pesquisa durante a jornada de compra, perguntando ao consumidor como ele conheceu a marca. Por e-mail marketing? Anúncios nas redes? Se sim, qual delas?

Esse rastreamento também pode ser feito de maneira automatizada, por meio de links rastreáveis. Mas, para isso, é preciso um data driven marketing com acesso a ferramentas de automação.

Insights valiosos sobre promoção

Dados sobre as vendas de seus produtos podem indicar caminhos estratégicos, por isso é importante acompanhá-los.

Se um item não está vendendo como costumava, não significa necessariamente uma mudança no comportamento do consumidor, e, sim, que suas campanhas não estão sendo eficazes. Neste caso, é preciso segmentar o público para se comunicar com quem realmente possa se interessar pelo produto.

Crie anúncios e faça testes na hora de promovê-los, variando algumas características do público almejado. Você pode acabar descobrindo um nicho de usuários que tenha a ver com o que você vende.

marketing-de-recompensas-minu


Avaliações apuradas sobre preço

Preços altos podem afetar negativamente o desempenho das suas campanhas e, consequentemente, da receita. Alguns dados podem ajudar a entender se o valor do seu produto está impactando as vendas, como a taxa de conversão.

Se você aumentou o valor de um item do seu catálogo e, após determinado período, as vendas desse produto diminuíram mesmo com a taxa de cliques nos anúncios se mantendo constante, pode ser que o problema seja o valor. 

É válido realizar um teste para confirmar a suspeita: diminua o preço e promova anúncios em menor escala para analisar o que as métricas têm a dizer.

Lembre-se de que os clientes, geralmente, estão dispostos a pagar mais caro por marcas que são valiosas para eles. Porém, para isso, é preciso que identifiquem um valor agregado aos produtos ou serviços da empresa.

Dados relevantes sobre seu cliente ideal 

Mesmo que você já tenha um público-alvo definido, a interpretação de dados pode ajudar sua empresa a afunilar ainda mais quem são seus consumidores, onde eles se encontram e como se comportam.

Quanto mais específicas forem as personas criadas para representar seu cliente ideal, maiores as chances de alcançar esse consumidor. O data driven marketing baseia a criação de personas em dados reais que apresentam relevância para sua marca, fugindo de suposições.

Um ótimo exemplo são as ações de marketing personalizadas da Sallve, marca nacional de produtos para a pele. Ela produziu e distribuiu por seus canais um quiz bastante detalhado para que as pessoas pudessem descobrir o tipo de pele que têm e os cuidados necessários.

Ações como essa não só podem atrair muitos possíveis clientes, já que são carregadas de valor agregado, como ajudam a marca a personalizar os próximos passos para garantir a venda dos produtos.

Nesse caso, a partir do resultado obtido, a Sallve passou a indicar às pessoas que responderam o quiz, por meio de disparos de e-mail, dicas de produtos do seu catálogo ideais para as características de cada pele.

Conheça as soluções da Minu

Como deve ter percebido, um data driven marketing deve conhecer seus consumidores para personalizar ações e garantir bons resultados.

Estudar as preferências e o comportamento de clientes é a especialidade da Minu há mais de 13 anos. Ela ajuda negócios de qualquer modelo e tamanho a estabelecerem conexões verdadeiras com seus consumidores por meio do marketing de recompensas.

A plataforma da Minu conta com profissionais especializados em ciências comportamentais, design thinking e interpretação de dados que processam e traduzem informações em conexões memoráveis entre marcas e usuários.


Descubra agora como a Minu pode ajudar você e seu negócio!

Gostou deste artigo?
compartilhe com mais pessoas

Confira outros artigos

Voltar para o blog